Pelos valores de Abril, pelo gosto pela Liberdade, em defesa da Democracia – agora e no futuro – NÃO podemos permitir a criação de um “Museu a Salazar”, com esse ou qualquer outro nome, em Santa Comba Dão.

Pelo aprofundar do conhecimento da história dos 48 anos da ditadura, mas contra a idolatria da figura de um ditador, a APJD subscreve e promove a Petição da URAP dirigida ao Parlamento.

Assine a Petição, para também que os Deputados possam condenar politicamente a construção do dito museu.


31.10.2019

Preso Político, Fernando Assis Pacheco

NÃO ao «Museu a Salazar». Assina a Petição.

1
Quiseram pôr-me inteiro numa ficha. 
O dia e a noite são iguais por dentro.
Não há papel que conte a minha vida
mais que estes versos de punhal à cinta.

A barba cresce, e cresce a voz armada
descendo pelos muros tão tranquila;
tão tranquila que já nem desespera
de ser apenas voz, não uma guerra.
  
Quiseram pôr-me inteiro numa ficha.
Não há papel que conte a minha vida.
Mais que estes versos, esta mão estendida
por sobre os muros só de medo e pedra.
 
2
Quando saíres, amigo, não me esqueças.
Fico à espera da tua novidade.
Olha bem que farás da liberdade:
quando saíres, amigo, não me esqueças.
  
Quero mais fazimento que promessas.
São de prata os enganos da cidade
com que outros sujeitam a vontade.
Não me esqueças, amigo, não me esqueças.

Fernando Assis Pacheco, "Preso Político" (1966), in 'Lote de Salvados'

28.10.2019

Profecia fácil: a actualidade de José Gomes Ferreira

21 de Setembro de 1968

Prevejo (profecia fácil) que os reaccionários tentarão manter o mito Salazar através dos tempos. Isto é: dar-lhe a autoridade da morte para impor a ditadura do medíocre que é uma das constantes da história do povo português, poucas vezes vencida e sempre por curtos períodos.

Nesse sentido vão meter nas cabeças das crianças que ele saneou as finanças (!), reformou o exército, abriu estradas, fabricou pontes, etc., etc., para esgotar todos os sonhos portugueses.

Ó homens do futuro: aturem-no morto que nós aturámo-lo vivo – o que foi mais humilhante. E quanto ao resto (tudo o que digam dele no Futuro) é mentira, é mentira, é mentira, é mentira! É MENTIRA!

José Gomes Ferreira, Dias Comuns, V – Continuação do Sol, D. Quixote, pp. 208.

NÃO ao «Museu a Salazar». Assina a Petição.


17.10.2019

Pedro Tadeu: O “museu Salazar”, afinal, vai para a frente?

«Recebo, entretanto, um aviso: há na internet uma nova petição da URAP (União dos Resistentes Antifascistas Portugueses) especificamente dirigida, ao contrário da primeira, ao Parlamento, para que os deputados tomem uma iniciativa que impeça, de vez, a construção do “Museu Salazar”. Corro a assinar.

Do que estamos a tratar quando discutimos se deve ou não deve haver em Santa Comba Dão um museu constituído, em parte, com o espólio do ditador?» Pode ler aqui todo o artigo de opinião de Pedro Tadeu.


01.10.2019

Petição: Repúdio ao «Museu Salazar»

Está aberta a subscrição a Petição de repúdio e exigência de que se trave e abandone a anunciada criação do «Museu a Salazar», com esse ou outro nome, em Santa Comba Dão.

Porque, em Portugal, o fascismo existiu, foi vencido, mas não morreu, é imperioso não esmorecer a luta.

Fascismo nunca mais!


18.09.2019

Museu de Salazar, Não!

Também por este meio, a APJD dá conta da Nota Informativa para os órgãos de comunicação social com a posição da Associação sobre a intenção de criação do Museu dedicado ao ditador Oliveira de Salazar apelidado de “Centro Interpretativo do Estado Novo”.

A criação, primeiro de um museu, de seu nome Salazar, e depois de um “Centro Interpretativo do Estado Novo”, colide frontalmente com a Constituição da República Portuguesa, que proíbe qualquer tipo de organização ou manifestação fascista. A APJD é frontal e activamente contra qualquer forma de recuperação, branqueamento, normalização ou condescendência da imagem do fascismo.