Também por este meio, a APJD dá conta da Nota Informativa para os órgãos de comunicação social com a posição da Associação sobre a intenção de criação do Museu dedicado ao ditador Oliveira de Salazar apelidado de “Centro Interpretativo do Estado Novo”.

A criação, primeiro de um museu, de seu nome Salazar, e depois de um “Centro Interpretativo do Estado Novo”, colide frontalmente com a Constituição da República Portuguesa, que proíbe qualquer tipo de organização ou manifestação fascista. A APJD é frontal e activamente contra qualquer forma de recuperação, branqueamento, normalização ou condescendência da imagem do fascismo.